quarta-feira, 20 de outubro de 2010

A literatura de cordel



Dizem que um mineiro foi ao Rio e um carioca malandro lhe vendeu o Cristo Redentor de papel passado. Mas claro que é brincadeira, os mineiros que são gente boa que me desculpem. Mas um caipira foi à São Paulo e também lhe venderam o prédio do MASP e o EDFÍCIO DO MARTINELLI. Tudo são lendas urbanas. Na é época que eu era criança não tinha televisão e nem esta parafernália toda que hoje existe, a literatura mais difundida entre o povo era a literatura de cordel. Era assim chamada por que eram escritos em livros pequenos e pendurados em barbantes ( cordel) nas bancas de jornal, seriam os livros de bolso de hoje em dia. Lembro-me que minha mãe conseguia recitar quase todos de cor. Tinha um muito engraçado que assim dizia:



São Paulo que mais me amola

Aqueles bondes que nem gaiola,

Ao subir ao bonde,

Topei com um protestante

Bem barrigudo

Levei um tranco dos bens graúdos,

Acabei caindo e quebrei a viola.



 
Assim eram as histórias inventadas pelo povo, Patativa do Assaré escritor nordestino do cordel acho que sem dúvida mereceria o Nobel nessa literatura, a Cultura popular representado pelo Cordel. Infelizmente tudo está desaparecendo e massificando, a televisão ao mesmo tempo em que divulga muito coisa. Também altera tudo, tira a espontaneidade das coisas realmente populares, da sabedoria do povo. As histórias de Lampião e Maria Bonita todas relatadas pelo cordel. Assim como o fim da Segunda Guerra Mundial que dizia mais ou menos assim:



A Alemanha estava dura,.

Mas Graças a Deus deu-se o final

Agora já terminou a Segunda Guerra Mundial



O cordel era o noticiário do povo, o arauto, o reporter, escrito por homens do povo muito pouco letrados, mas com uma grande sabedoria para transmitir e interpretar os fatos e estavam com o povo, e que geral eram escritos em versos bem rimados..

Hoje a gente não sabe com quem esta imprensa anda metida, mas muitas não defendem os interesses do povo, muitas vezes defendendo interesses de multinacionais, perderam a sua autenticidade. Nem usa o palavreado popular, nem sabe se comunicar com as massas. Urge o povo se alfabetizar melhor para tornar-se consciente de seus direitos. A educação sempre foi o pilar básico de uma sociedade que quer se desenvolver e ser igualitária.







Nenhum comentário:

Postar um comentário

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras