sexta-feira, 20 de novembro de 2009

Do caminho suave às avenidas expressas

Quando era criança caminhava: os caminhos eram amplos e variados, muitas opções, ladeiras muitas vezes íngremes, várzeas suaves, caminhos sinuosos, ora sombreados pela mata, ora ensolarados. Tinha até uma cartilha da minha infância que se chamava Caminho Suave, pra quem não sabe o que é uma cartilha: livro didático em que se ensinam as primeiras letras, ou seja, alfabetização. Andava-se muito até para ir à Escola e ser alfabetizado. Tudo era feito na maioria das vezes a pé e cobriam-se distâncias bem razoáveis por belos caminhos ouvindo o canto dos passarinhos ou então à tardinha o coaxar dos sapos nas lagoas. Cresci, os caminhos deviam aumentar em número e distância, então diminuíram, diminuíram as opções, os caminhos que na minha infância se faziam a pé, eram simples vielas de gado, estreitos, aumentaram de tamanho e largura, tornaram-se asfaltados, já o meio de locomoção em vez de meus pés infantis, lépidos em transpor os obstáculos tornaram-se inúteis, pois foram substituídos pelo automóvel, o ônibus. Mas será que progredi? Diriam os progressistas que sim, pois fui mais rápido aos lugares pude aprender mais rápido na Escola até me tornei médico. Mas por outro lado perdi, não encontrei mais meus amigos, pois passavam muito rápidos por mim e vice versa, e não nos víamos, assim não trocavamos idéias e nem impressões, já não sobrava tempo, pois tinha que trabalhar para comprar o automóvel e o combustível para movê-lo, já que meus pés eram inúteis. Assim também não ia a casa deles, não os visitava e pior o meu amigo tinha o mesmo problema. E fomos ficando cada vez mais isolados como Robinson Crusoé em uma ilha. Na nos cumprimentamos mais, olhos nos olhos nem pensar, tudo feito através de máquinas, que dizem agora até sentimento têm. Mas cadê os sentimentos humanos, a cordialidade, a cumplicidade, a meiguice, a solidariedade, nos tornamos estranhos um ao outro. Se quisermos nos comunicar as máquinas farão isto, com sua frieza, seu calculismo. Com isto fomos ficando cada vez mais isolados um do outro, e não mais conhecemos o nosso semelhante, ficamos isolados em cavernas familiares, nos castelos medievais dos condomínios de luxo, cada vez mais isolados, nos armando até os dentes contra os outros seres humanos. Não é de estranhar que a violência aumente cada vez mais, numa escalda inaudita. Estamos retornando isto sim às trevas medievais.

sábado, 14 de novembro de 2009

O homem sempre se preocupou com suas origens e procurou explicações para isto: inicialmente havia a explicação religiosa tudo estava escrito em um livro chamado Bíblia e era extremamente simples, tudo apareceu num passe de mágica em ordem e por vontade do Criador. Aceitava-se a explicação bíblica e quem discutia isto em época passadas podia muito bem ser enviado à fogueira como herege. A palavra Cosmos significa ordem em oposição a Caos desordem, todas palavras gregas de maior significado. Acho que as explicações da origem do Cosmos não exclui um Criador, pois as maravilhas cósmicas são tão admiradas hoje como no primeiro dia em que o homem primitivo na infância de suas origens encontrava-se em torno de uma fogueira na distante idade da pedra junto com seus amigos e família e olhou pela primeira o céu, sentiu-se extasiado, deslumbrado com as maravilhas vistas e é claro que pensou que aquilo tudo devia ter um Criador e este devia ser perfeito, surgindo daí a religiosidade, que é um deslumbrar-se frente às maravilhas e mistérios do Universo. Mas ao lado do sagrado também existe o profano que convive com este que indaga, que pergunta e muitas vezes não se contenta com as respostas pré fabricadas. Então com isto começaram a surgir as primeiras cosmogonias ou seja explicações das origens cósmicas. Quando o homem começou a estudar melhor o Universo com seu intelecto então começaram a surgir as primeiras explicações e explicações que muitas vezes. até conflitavam com os livros biblicos. Primeiro a idade da terra dizia que tinha seis mil anos, mas estudando-se os fósseis e as camadas geológicas da terra viu-se que ela fora criada a milhões senão a bilhões de anos. Tendo o Universo sua origem de uma explosão Cósmica chamada Big Bang, ocorrido a muitos bilhões de anos. Acredita-se que a própria terra tenha alguns bilhões de anos que foi evoluindo até chegarmos aos nossos dias e essa evolução continuará séculos sem fim. A chave de tudo chama-se evolução que vale tanto para a matéria inerte quanto para os seres vivos e foi percebida pela primeira vez por Charles Darwin, um cientista inglês, que bolou a teoria Evolucionaria da Origem das Espécies. Ou seja uma espécie se origina de outra pré existente até chegarmos a célula primordial ou primitiva a célula-máter. Houve um período geológico, que são longos períodos de evolução que passa a terra chamado Cambriano em que houve uma explosão de vida, em que talvez a vida fosse até mais rica do que é agora. Mas o palco da vida acredita-se que era o oceano foi lá inicialmente que a vida se iniciou e se desenvolveu, após a terra foi povoada pelos seres vivos. A ciência humana foi inventada pelo homem para responder às suas indagações, sua curiosidade de explicações cósmicas que o satisfaça, muitas vezes opõem-se a religião. Que é de outra origem, pois é matéria de fé, mas o homem precisa dela, mesmo porque ele é pequeno frente as grandezas e imensidões cósmicas, seus mistérios e perigos. A religião nos conforta e nos dá esperanças frente às incertezas da vida. No meu ver não devia haver "briga" entre religião e ciência, mas respeito mútuo, pois ambas são importantes para o homem

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

Para onde caminha a humanidade? Ninguém sabe responder satisfatóriamente a esta questão. A religião já não garante mais o céu, diga-se de passagem poucos acreditam nele. Algumas já prometem a felicidade aqui mesmo na terra, prometendo riquezas, prosperidade e felicidade enfim. A ciência que devia ser imparcial e racional algumas vezes assusta, quando acena com possibliddade de apocalypses, queda de asteróides, encontro com cometas num universo cada vez mais perigoso. As ciências humanas tampouco nos salva com Malthus prevendo que com o aumento da população poderá faltar alimentos, que crescem em progressão aritmética ao passo que a população aumenta geometricamente ou seja muito mais. Darwin explicou a evolução com a sobrevivência dos mais aptos, mas extrapolaram a teoria para o social com o Darwinismo social cada vez mais acirrado, como se fosse na selva, com um ser humano a devorar praticamente o outro num nível de violência nunca vistos. Em que fracos e oprimidos praticamente não tem mais oportunidades de vida. Com a crise do capitalismo, "clack" das bolsas de valores, jogou-se cerca de um bilhão de pessoas na pobreza absoluta, não chegando a renda de um dólar por dia. Para agravar mais tal quadro, as nações desenvolvidas querem viver na opulência com um nível de consumo imcompatível com a própria capacidade da terra de gerar recursos, exaurindo-se as florestas e os demais recursos naturais, desembocando num catastrófico efeito estufa que a ameaça a sobrevivência da própria humanidade. Mas há esperança? Sim há. Não faz tempo que o fantasma do cogumelo atômico assombrava a humanidade, mas este foi afastado. Agora os já citados perigos ameaçam a humanidade. É preciso muito desprendimento e vontade política, a África está ameaçada pela guerra e pobreza, além de secas colossais e doenças endêmicas. É necessária além de vontade política, muita renúncia de supérfluos bens materiais, abrir mão de individualismos, ênfase ao transporte público de massas, mais colaboração entre nações, diminuição da corrupção e principalmente controle dos gases de efeito estufa. Porque senão podemos desembarcar no famoso Armagedeon, a batalha do juízo final.

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras