terça-feira, 29 de dezembro de 2009

Sou um Emo

Sempre tenho procurado escrever algo para os amigos, é claro falta inspiração, talento, jeito mesmo. Vou tentando escrever minhas histórias quem sabe se um dia passo para a posteridade com um conto magistral, Enquanto não chega o momento vou tentando, se não conseguir tal intento que pelo menos fique registrado as minhas tentativas, graças a Deus agora com o computador posso perturbar meus amigos com minhas historietas.
Acho que algo muito importante na vida são os amigos prezo-os muito e acho que as amizades não acontecem por acaso, muito embora o acaso também participe muitas vezes das nossas amizades. Conheci Graças a Deus pessoas ótimas na vida desde minha Santa Mãe que Deus a tenha que até adivinhava os meus pensamentos e os meus problemas, foi o farol de minha existência, meu pai o amigo para todas as horas, fiel, sempre me salvou de dificuldades. Até pessoas não parentas que muito fizeram por mim, foram meus êmulos, sempre solícitos e também de grande valia. Alguns sem os quais talvez não estivesse escrevendo esta crônica. Não sei se alguém já escreveu isto: “Reter é perecer, doar é viver”. Graças a Deus sempre fui mão aberta e nunca me faltou nada, parece que quanto mais à gente doa mais a gente tem. Como diz Gibran: “É a vida que doa à vida, somos apenas testemunhas”. A amizade não é uma troca de objetos materiais, nem de gentilezas, nem jogo de influência, é um respeitar mútuo, é você adivinhar os pensamentos do amigo, suas necessidades não materiais, porque de presentes já estamos cheios ainda mais no fim do ano, com a presença daquele velhinho pornográfico que diz: OH! OH! OH!. Enfim queria agradecer aos meus amigos que me alegraram com suas histórias, outras vezes me fizeram chorar de emoção. Como dizem os jovens sou um “Emo”, mas fazer o que já não dá para mudar mais. E a todos que estão neste barco, nesta NAVE MÃE, UM FELIZ ANO NOVO!!

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

O destino é Deus quem dá

O progresso e o desenvolvimento humano não é uma curva ascendente e muito retilínea, processam-se às vezes em saltos outras vezes verifica-se retrocesso e estagnação. Originamos como até agora aponta os estudos na África, onde foi o nosso Éden. A partir daí espalhamos pelo mundo inicialmente para o Oriente após para países mais distantes como Índia e China. Mas exames do DNA mitocondrial apontam a África como a terra de origem do homem. Das fogueiras primordiais que serviam para nos aquecer e espantar predadores e também fazer alimentos começa também a observar o que nos cerca e principalmente o céu noturno, que na época, diga-se de passagem, devia ser muito bonito e livre de poluição. A observar as estrelas certamente perguntamos quem acendeu estas fogueiras no céu noturno? Qual a sua finalidade? Entre outras questões. Não demorou foi elaborado teorias e hipóteses, certamente muito fantásticas, pois até há pouco tempo não se sabia a composição das estrelas. Inventou-se nome para as constelações ou agrupados de estrelas: Têm a do Navio, do Castor, do Urso, do Cruzeiro, nomes também de deuses antigos: Jupter, Saturno, Cassiopéia, havia também Nebulosas a de Magalhães, a Eta Carine. Inventaram-se mapas do céu e chegou-se a Astrologia que chega a ser uma ciência. Também baseado em estudos genéticos verificou que a raça homo sapiens quase se extinguiu, chegando a ter a humanidade cerca de 2000 indivíduos espalhados pelas imensas savanas africanas. E certamente caminhávamos para a extinção quando alguém teve uma idéia salvadora, por o pé na estrada, emigrar, procurar outras terras melhores e mais férteis. Diz à história que os mares estavam muito baixas e muitas ilhas a mostra, conforme o local dava vau, ou seja, dava pé, ajudado com um pouco de nado e canoas rústicas, o homem conseguiu passar para regiões férteis e com bastante água, para o oriente médio na região que corresponde ao Iêmen de hoje. Lá progrediu bastante e se multiplicou ganhando força para posteriores emigrações para o extremo oriente, Europa, Rússia, etc., colonizando praticamente toda a terra. Além do sapiens havia outras espécies de homens, o homo erectus, o homo de Nerdenthal, este ultimo habitava a Europa que naquela época devia ser gelada eram atarracados, baixos, bastante fortes, com crânio proeminente, mas mais atrasados que o sapiens que já tinha tecnologia melhor e mais eficiente para caçar. Resultado do choque de civilizações: extinção do Neardenthal e do Erectus. Resultando na terra os nossos adões e evas, ou seja, o Homem moderno, já com características que se assemelhavam em tudo a nós. Essa foi a nossa aventura segundo os cientistas modernos. Progredimos muito, mas não esqueçamos que a evolução tem muitas possibilidades e se processa ao acaso. O futuro depende muito do que estamos fazendo hoje, e parece pelo andar da carruagem, que estamos novamente em uma encruzilhada. Os homens se tornaram extremamente egoístas e não cooperam mais, predominando a lei do mais forte e do mais esperto. A terra era imensa e a população escassa, hoje há bilhões de bocas a serem alimentadas, cuidadas e o destino do homem torna-se incerto. Temos o destino em grande parte em nossas mãos, depende de nós, este mundo ainda tem jeito. Até quando não sei, mas precisamos tomar cuidado, pois como o homem caminhava para a extinção, os mais inteligentes, os mais aptos, certamente num movimento de cooperação salvaram a humanidade. Oxalá encontrem homens desprendidos hoje que façam o mesmo...

segunda-feira, 14 de dezembro de 2009

A escola é o foco donde a luz irradia...

A escola antiga era muito rigorosa e a chamada “decoreba” era a regra, as lições tinham que ser cantadas como uma “ladainha” pelos alunos sob a batuta de um professor ou professora enérgico, e ai de quem errasse,.Era severamente castigado com um castigo bem rigoroso ou tinha que se ajoelhar em caroços de milho, ou então submetido a aplicações de palmatórias, em nº de doze aplicações, na palma da mão, diga-se método bem doloroso. Todos estes castigos eram aplicados em alunos indisciplinados ou então que não sabiam a lição. A nossa escola ficava no Bairro da Santa Cruz do Rio Acima, bairro rural da distante cidade paulista de São Luiz do Paraitinga, ano de mais menos de 1950 e poucos. Portanto há muitos anos, fazia primavera, um sol muito claro, um ar muito límpido com um ventinho a agitar a vegetação, os campos estavam floridos pela bela estação e as crianças buliçosas e traquinas como sempre e muito alegres. Só que naquele dia estava acontecendo algo inusitado na escola, ela estava sendo mudada para outro prédio construído para este fim que ficava do outro lado de uma extensa várzea. E os tarecos estavam sendo levados pelos alunos maiores: consistindo em mesas, cadeiras, lousas, cadernos e outros materiais que se usam em uma comum escola rural. Mas nem todos participavam da mudança, uma turma de recalcitrantes que não sabiam a lição de tabuada havia ficado de castigo, presos na antiga escola, é lógico sem poderem também participar do referido folguedo. É claro que para a criançada era isto mesmo, pois na idade de criança tudo são diversão e motivo para brincadeiras, mesmo coisas mais sérias. Eram vários colegas meus e também meninas que não sabiam recitar a tabuada. A professora dizia aos alunos que eles iam ficar até a noite ali como castigo. Em vista disto alguns alunos lembro-me começaram a passar mal e a chorar. Foi quando disse a professora que ia embora, ela afirmou, pois vá: pule a janela. Aqui vai um pequeno preâmbulo: nos prédios antigos as janelas eram muito altas e largas que dava para passar um homem tranquilamente: não tive dúvidas subi na carteira encostada na janela e a pulei, advertido pela professora que ia me enroscar numa roseira que tinha de fronte. Mas isto não aconteceu, ganhei a estrada rapidamente e tomei o caminho de casa. No que fui impedido por moleques enviados pela professora para me pegar. Foram recebidos a pedradas. Mas audácia saiu caro, no dia seguinte ao chegar à escola que agora era nova, não pude estreá-la, pois estava expulso por ordem da professora. No início fiquei muito chateado, confesso que até chorei, mas depois já mais conformado fui eu e mais um colega flanador ajuntar flores para enfeitar a escola. Mas situação não estava boa, como ia manter esta situação tanto tempo sem meu pai saber e ele ficou sabendo, mas o velho até que foi compreensivo, falou com a professora e fui de novo aceito, agora sem pular as janelas, mas a professora também nos respeitou mais, sem castigos humilhantes.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Que o Natal seja benvindo

Sempre gostei das músicas de Natal, elas evocam algo de nossa infância bem distante, quando o rádio ou o alto falante da praça tocavam músicas na época do Natal, maravilhosas, evocativas: Eu pensei que fosse filho de Papai Noel, amanheceu e o sino gemeu... eu esperei um brinquedo de Papai Noel, mas Papai Noel não veio, então fiquei zangado e pensei, com certeza o velhinho já morreu ou então a felicidade é um brinquedo de papel. Quanta ternura, quanta meiguice, quanto sonho, sonhar não gasta nada, é preciso o povo voltar a desenvolver as fantasias nas crianças e também porque não também nos adultos. Fica esse comércio deslavado e pagão que mais parece os festivais de Baco e Afrodite, a deus do vinho e a deusa do amor. É puro paganismo mesmo, depois reclamamos não há mais cantores e compositores. Não é de se espantar pois a magia e o sonho foram para as "cucuias." Como sonhar num mundo tão materializado e que não mais existem praticamente relações humanas, só comerciais. Falar em romantismo é demodè, quadrado, ultrapassado, hoje vai-se direto ao que importa e pronto. Aí as música ficam uma m...., parecendo pornografia ou então incitam a violência. Isto não é música pelo menos pelos padrões que a gente conhecia pelo radio. É preciso o mundo voltar um pouco mais ao romantismo, não sei se vão conseguir, não um romantismo piegas, mas algo bacana, como são por exemplo as músicas de Natal mais antigas, ou as cantigas das fogueiras de São João, o folclore, as danças de roda, a ciranda, a dança de fita. Tinha tanta coisa bonita na minha infância, que parece que sumiu tudo, agora penso, ou mudei eu ou mudou o mundo, mas acho que para pior.

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras