terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Liberdade abre as asas sobre nós!

Outro dia li um artigo interessante sobre leis, constituição brasileira e junto com algo que li hoje sobre liberdade de imprensa. A nossa constituição parece um livro de porte médio, enfim um calhamaço, não adianta nem tentar decorar, pois o coitado do advogado que se meter a fazer está em maus lençóis, pois ao terminar sua ingente tarefa, esta já estará ultrapassada, e terá que começar tudo de novo. Tal a quantidade de leis que existe no país, às vezes até uma conflitante com a outra. Fazem-se dezenas de milhares de leis, mas não se cumprem. Faz bem a Constituição Americana que tem 20 e poucos artigos, mas todos são cumpridos à risca. E o pior são as leis esdrúxulas, um dia destes o senador Cristóvão Buarque que eu reputava uma pessoa séria e de bons princípios, introduziu na Constituição, pasmem vocês!A seguinte lei constitucional: Que todo brasileiro de agora em diante tinha direito à Felicidade, até ponho em letra maiúscula para acentuar bem. Mas penso que este não é artigo de lei, pois felicidade é um termo tão vago, tão fosfórico, que seu conceito varia de pessoa para pessoa, de status econômico, estrato social, aspiração de vida. Acho que a intenção digamos que foi boa, mas não garantiu direito nenhum, pois então o que vem ser  Felicidade exatamente. O governo também não pode se responsabilizar pela felicidade de todos. E o pior que agora se realmente este fato existiu o governo poderá ser processado se não garantir a felicidade de alguém que se viu prejudicado. Acho que o que falta ao país é seriedade no trato da coisa pública, cumprimento das leis à risca, doa a quem doer. "A lei é dura, mas é lei". Todos tem que cumpri-la, sem exceção. Fim dos privilégios. Término das prisões especiais. Houve um presidente da república velha que ao terminar seu mandato, pegou seu paletó e foi pra casa de ônibus, quando morava no Palácio do Catete, sede da República velha. Não estou advogando a volta da república velha, mas sim a volta dos bons costumes, da transparência, principalmente das leis e o seu fiel cumprimento.

sexta-feira, 10 de dezembro de 2010

Coitado do turquinho

Coitado do turquinho








Gato escaldado até medo de água fria tem, mas neste caso não era um gato  e sim um cachorro que se chamava turquinho. Como não sou afeito muito a raças de cachorro vou dizer que era um “cachorro “ paqueiro”, ou seja, habituado a caçar pacas. A paca era um animal roedor de tamanho pequeno acho que em torno de uns 5 k de peso de pelo preto com manchas brancas. Tinha carne saborosissima portanto muito caçado, caminhava por isto para a extinção. Era uma noite de calor, céu limpo e portanto boa visibilidade facilitada pela lua prateada que já ia se assomando no céu. Meu pai anunciou que ia caçar, ele e mais um colega ajuntaram várias parelhas de cachorro paqueiros espingardas em punho mais o material para caça: chumbo, pólvora e demais apetrechos porque as espingardas eram de carregar pela boca. Foram em direção ao mato que havia em frente da nossa casa, era uma mata pequena, mas tinha caça pelo menos no início quando chegamos ao local. Fiquei com vontade de ir a caçada, mas era perigoso segundo meu pai, por causa de risco de acidentes que acontecem nestas caçadas causando as vezes ferimentos graves. Lá foram eles e fico eu esperando a volta e o alarido dos cachorros já se fazia ouvir na mata. Coitada da paca pensava perseguida por ferozes cães tinha pouca ou nenhuma chance. Os animais tinham que tira-la da toca. Com certeza ela iria correndo pelos seus caminhos habituais que fazia chamado “carreiro” denominação dada pelos caçadores. Mas aconteceu um imprevisto lamentável ao invés de surgir a paca apareceu o cachorro turquinho que foi logo alvejado por um tiro de espingarda, ficou seriamente ferido. Meu pai tratou-o com carinho apesar de tê-lo quase matado. Ficando com as patas dianteiras seriamente afetadas, chegando mesmo a perder uma das patas, mas sarou ficando aleijado de uma das patinhas. Oh caçador desastrado.
 Que de paca mesmo não trouxe nada, pelo menos aquele dia. Mas pra sorte nossa o turquinho sarou e andava manquitolando. É engraçado que animal é que nem gente sofre de corpo e alma. Pois ficou supersensível era só ralhar muito que ele gania e latia chorando. Estalar um relho perto dele nem pensar. Eu sabendo disso judiava dele não dando relhada no coitado que havia sofrido tanto. Mas ao ouvir o estalar de um relho mesmo longe era suficiente para fazê-lo latir e ganir como se tivesse sido ferido. Coitado era um “Cachorro escaldado”.

Viver não é moleza não!

Viver não é moleza não! A vida é mais perigosa que a morte: são frases de nossos filósofos populares, ou seja, Paulinho da Viola e Titãs se não me engano. Agora mesmo assistindo ao um Canal Cultural, tenho notícia que o efeito estufa chegou pra valer, a atmosfera está super- aquecida com os gases estufa. Eles explicam que a terra é um viveiro de planta e animais, nós estamos envolto em uma tênue atmosfera de gases: Nitrogênio, oxigênio, hidrogênio, gás carbônico, metano e outros gases menos importantes. A camada atmosférica tem mais ou menos 10 km altura e envolve o nosso planeta protegendo-o e aquecendo-o criando as condições ideais para a vida que conhecemos. Acontece que a partir das revoluções industriais que se iniciou no século XIX  com a invenção de máquinas cada vez mais sofisticadas que consumiam energia de início do carvão vegetal e mineral,  as nações foram ficando cada vez mais ricas, a miséria foi afastada. Revolucionou-se a agricultura que de subsistência passou a contar cada vez mais com máquinas que multiplicavam o trabalho humano e as colheitas cada vez mais fartas, e as nações ficaram poderosas e ricas. A Inglaterra foi a primeira grande potência industrial, seguida pelos EUA e as outras nações européias. As demais nações viraram repositoras de matérias primas para as mais ricas e industrializadas. Ainda é assim. Mas como não poderia deixar de ser com a riqueza vieram as melhorias na Saúde e na higiene da população com avanços espetaculares na Medicina e nas Ciências em geral. As máquinas tornaram-se cada vez mais aperfeiçoadas e ameaçam até dominar o seu criador. Como não poderia deixar de ser o avanço material  trouxe mais opulência e também desperdício de energia tanto humana quanto de recursos. Aí subindo ao espaço e já iniciando a jornada a outros planetas, viu-se que este planeta é frágil e azul devido aos seus mares e atmosfera. É um lindo planeta visto do espaço, mais lindo ainda quando mais longe ficamos dele é a nossa casa e de todos que aqui habitam. Como o ser consciente e racional como nós mesmos nos definimos, apesar de que muitas vezes temos razões para duvidar disto devíamos refletir bastante sobre o que estamos a fazer com o planeta. Se fosse nossa casa cuidaríamos melhor não deixaríamos que juntasse sujeira? Porque então sujamos o planeta tanto assim? Lançando gases tóxicos na atmosfera acumulando-o perigosamente a ponto de diminuir o nível do gás vital que é o oxigênio. O acúmulo excessivo do gás carbônico retém o calor do sol a níveis perigosos e aquece o planeta além do necessário aquecendo a terra e os mares, acidificando os oceanos e o pior interferindo nas correntes marítimas ocasionando fenômenos climáticos extremos: Tsunamis, furações, tornados, maremotos, terremotos numa escala nunca vista em todo o globo. No pólo norte as famosas renas que enfeitam o carro do Papai Noel estão em risco de extinção, assim como o povo que lá vivem, por causa do nosso modo nababesco de viver. Vamos "baixar a bola" gente, lembremos que o homem mais importante do mundo nasceu em uma manjedoura, foi adorado inicialmente por animais, e que atualmente anda muito esquecido, quase ninguém se lembra dele. Só o "outro" um senhor nórdico e muito pornográfico que denominamos Papai Noel, que tem cara e expressão comercial, e ri o sorriso dos ricos e loiros nórdicos, aliás, bem debochado: Oh! Oh! Oh!

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras