sábado, 4 de julho de 2009

Uma torre para o céu

Não sabia há quanto tempo era sozinha, só que a velhinha tinha uma história, teve família que há muito tempo tinha vindo da Itália, era nesta época pequenina tinha cerca de oito anos, quando um desastre de trem levou sua família, pais, irmãos, avós, como não tinha mais parentes no Brasil, foi criada na colônia italiana por pessoas estranhas. Conheceu a pobreza e a solidão já desde cedo. Também tinha grande dificuldade de comunicação, pois não tendo aprendido direito o português, não sabia pedir alimentos, por não conseguir expressar-se direito. A sorte não a favoreceu, na época havia poucos empregos para mulher sozinha e que não conhecia também as letras, viveu em casa de famílias, até que um dia se viu velha, doente e sozinha. Daí então passou a viver em albergues e da caridade pública. Mas era muito econômica e toda economia amealhada, corria e guardava de baixo do colchão, como quase todo velho não era bonita, até era um pouco esquisita, vivia falando sozinha com seus botões. Como a imaginação do povo aumenta muito, após alguns benzi mentos que deu certo, e algumas rezas ficou com fama de feiticeira, fato realçado por suas maneiras esquisitas de falar sozinho e também por suas roupas extravagantes. Muitos a procuravam para obter a cura dos seus males e preparação de filtros para casos de amor sem solução. Tudo isto aumentava sua fama de ter poderes mágicos, conversando com pessoas já falecidas tornando uma espécie de médium espírita. Os casos que lhe apareciam eram banais: amores não correspondidos, casos de eczema e cobreiros, erisipelas, etc. Com isto foi enchendo o colchão de moedas, mas após algum tempo as moedas aumentaram tanto que magoavam seu corpo após dormir em colchão tão duro e abarrotados de metais. Um dia aconteceu o inesperado: uma noite de chuvas intensas com muitos raios e trovões, sua casa também goteirava, molhando o seu colchão que além de magoar seu corpo não oferecia conforto nenhum, pois estava encharcado pela chuva. O que lhe ocasionou muito resfriado e febre contínua que muito perdurou, piorado pela chuva que também persistiu por vários dias. Até que numa noite de tempestade, com relâmpagos e trovões que davam até medo, alguém bateu a porta insistentemente. Com muito custo já doente pela febre que não a deixava, além da tosse constante, foi atender. Então uma pessoa desesperada a porta suplicava que salvassem sua filha a beira da morte em casa com tuberculose e sua numerosa família passando necessidade e doenças. Daí-me um filtro por favor dizia a mãe desesperada. Já sem saber o que fazer Maria Amália que era o nome da velhinha se desesperou; abriu o colchão e começou a lhe jogar moedas, até esvaziá-lo ___. Toma seu filtro dizia ela ___ Faça bom proveito. Pelo menos naquela noite durmiu sossegada sem o vil metal para magor-lhe o corpo. Parece que a febre até passou. A noite teve um sonho muito lindo que jamais tinha tido. Sonhou que tinha construído uma torre para o céu. Uma linda torre iluminada com rubis flamejantes. E por ela subiu para encontrar-se com Jesus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras