quarta-feira, 1 de abril de 2009

Tristeza não tem fim

Na modernidade há um fenômeno recorrente que não deixa de ser antigo, mas parece que ultimamente se acentou bastante, ou seja, o fenômeno da solidão. Diversos tratados têm sido escritos por escritores, psicólogos sobre o tema sem contudo esgota-lo. A depressão gera a solidão ou vice-versa, mas o que parece que os sintomas acontecem juntos. Parecendo que um também está relacionado com o outro. Estava lendo um artigo no jornal ontem que a dizia que a felicidade humana era impossível, pois o ser humano vive e convive com o fenômeno da morte. Tema recorrente que lhe tira a vontade de viver. O lobo e o gato seriam muito mais felizes. Um grande problema enfrentado pelo homem, a religião, que sempre adia a felicidade do homem para uma vida futura. Como a dizer você está sofrendo, mas tem o paraíso futuro, das recompensas edênicas. Os justos irão para um local “futuro”, ou seja após a morte, de delícias e de contemplação, de paz eterna, não é preciso dizer que também os “injustos” enfrentarão as chamas do suplício eterno. Também tem o problema do juízo final que no “futuro”, serão julgados os vivos e os mortos. E é claro que os justos terão a recompensa eterna, os injustos serão também condenados eternamente. Quando eu era criança fiquei até com traumas por causa disso, pois os sermões eram terríveis e os padres realmente punham medo na gente. Falando nas chamas do “Castigo Eterno”. Você nota que tudo é castigo, tudo é eterno, e principalmente acontecerá sempre num futuro que a gente não sabe quando?
“Tristeza não tem fim, felicidade sim. A felicidade do pobre é como a grande ilusão do carnaval. A gente trabalha o ano inteiro, pra tudo terminar na quarta-feira.” Trechos de uma música de carnaval de antigamente. Se pulasse carnaval, segundo os padres ia mesmo pro inferno. Comer carne na sexta-feira Santa cresce rabo. Por aí vão às superstições, e o pobre do bicho-homem fica cada vez mais amedrontado, e infeliz até. Então casos de depressão, solidão não são exceções e sim regras. A religião oferecendo esta recompensa um tanto duvidosa e o pior sempre para o futuro, no presente só trabalho e ganhando pão com o suor do teu rosto, como reza a Bíblia. Vamos agora para o lado da ciência para ver se há algo melhor a oferecer ao pobre homem tão assustado e assoberbado com os problemas terrenos. Antigamente a religião tinha verdades monolíticas da imutabilidade das coisas, mas hoje se sabe que não é bem assim. A regra da natureza é que tudo muda, devagar ou às vezes repentinamente. A queda de um grande meteoro exterminou os dinossauros, outras vezes muito gradativamente. Por exemplo as primeiras formas de vida surgiram há mais de um bilhão de anos, que foi evoluindo até hoje e a evolução continua. O certo é que tudo muda e nada permanece imutável. Até mesmo a tristeza e a infelicidade. Ora se há mudanças físicas entendo também que as mudanças psicológicas acontecem. Há duas formas de cura para a depressão: medicamentos e psicoterapia às vezes juntos e outras vezes separados. A ciência já sabe que na depressão falta uma substancia na célula nervosa a dopamina, e o medicamento reporia estas substâncias. Mas e a psicoterapia como funciona? Traduzindo em miúdos a terapia ou psicoterapia são bate-papos individuais ou em grupos em que o indivíduo é ensinado a pensar corretamente sobre sua doença e os problemas que o cercam, a refletir sobre sua vida e sobre seus relacionamentos, suas emoções, seus amores e seus ódios. É preciso mesmo saber direcionar os ódios, que mesmo um sentimento ruim, mas bem direcionado deve ajudar. O problema é que não sabemos quem são exatamente nossos inimigos, ficamos confusos, nossa mente não trabalha direito na depressão, ficamos desorientados, muitas vezes necessitamos de orientação senão não saímos da crise. O certo é que o PENSAMENTO POSITIVO ajuda muito, um pensar corretamente e bem orientado já é metade da cura. Uma boa amizade ajuda demais na cura, os Amigos são como ANJOS, já se disse muito isso. Outra coisa que também atrapalha são os intermediários ou seja as MÁQUINAS. Elas se tornaram soberanas e ameaçam dominar o mundo e substituir os relacionamentos, faz-se amor através de máquinas, então que onde estão ficando os relacionamentos diretos, aqueles tete a tete, tão necessários. O pele a pele mesmo. O desaparecimento das comunidades também acho que é um grande problema do mundo moderno. A comunidade é o local onde o homem se relaciona e se realiza. É onde se manifestam as potencialidades. Mas isto é assunto para outro blog.

Um comentário:

  1. Amigo, como foi maravilhoso ler seus textos...dessa vez foi especial por vários motivos ( não desanime...são só 3 para ler, pois sabes que qualqer comentário meu com 1 motivo apenas já vira um livro, imagine 3...
    Vamos a eles:
    1. Todos lidos com direito a um fundo musical do rei Roberto Carlos, é tudo de bom...e de inspirador!
    2. A leitura do seu texto anterior remeteu-me a um momento tão magico quanto breve da minha vida. Pouco lembro-me de quando tinha 3 a 5 anos. Mas impregnado em algum canto do meu coração, nas paredes da memoria e na lembrança olfativa de terra batida, chuva no capim, pamonhas, cural... Um itinerário que o Velho Antonio (para seus netos - o DINHO) que fazia com o unico onibus desse percurso Assis-Platina-Assis. A casa era inundada as 3 da manhã com uma canção de viola emitida num radio velho. A passagem podia ser paga com galão de leite, peças de carne ou frutas e verduras colhidas no fundo da chacara de cada familia, que conhecia-se todos por seu nome. Em Platina, compravamos nossos doces nos armazens, terra vermelha, levantava poeira a cada animal de tração que passava. Também fui previlegiada com essa vivència RURAL.
    3. Muito bom seu texto sobre a tristeza, solidão, depressão, enfim... Sabe amigo, não sou triste, como perguntaste-me, muito pelo contrário, apesar da vida sempre me apresentar inumeros motivos para ter a tristeza como acompanhante, sempre agradeço a "gentileza' e apresento o 'OTIMISMO" como meu parceiro.
    Solidão...bem, considero-me sozinha no meio da multidão. Isso nem smepre é de todo ruim. Qto a depressão, essa sim, é algo enlouquecedor. Sensação de FUNDO, ECO ... POsso te definir assim: Ja saltei de bump Jump...45 metros de queda livre no vazio que duraram pouquissimos segundos. A depressão é a sensação que temos desde a queda até o encontro dos nossos pés com o chão de novo. A diferença( nada sutil) é que a queda duraram segundos, a depressão, pode durar até anos. Acompanho muitas pessoas aqui com esse problema. Defino não pelo que ouvi, mas pelo que senti um dia. Me considero especial de alguma forma...pois consegui vencer esse problema sem medicação. Entrei numa situação que eu sabia que me desencadearia isso. Algo que venço dia a dia desde a minha infância. Sem jamais ter comentado com alguem. A sensação do ECO, do FUNDO... Anos a fio sem nunca ninguem imaginar, afinal, sempre fui 'LINHA DE FRENTE" ...Vamos pra guerra? Cade a Katia? Ja foi...armada até os dentes, mas sempre esqueci de levar o elmo, o colete, botas...partia pro ataque sem nunca questionar as feridas da falta de defesa. Sempre fui muito vulneravel qto a isso. Meu sistema defensivo é secundário. Como consequencia, trago na mochila, muitas feridas, cicatrizes, compressas, suturas a dar, pontos a tirar, fraturas não EXPOSTA(JAMAIS!!) ... e ainda assim, quero saber onde tem alguem dos meus em combate para que eu la esteja...Não busco a medalhinha de honra ao mérito. Nem o trofeu no podio. Geralmente, no momento da comemoração, eu já não estou mais la, pois para festejar, existem muitos coadjuvantes que podem fazer bem seu papel.
    SE vale a pena? Eu nunca me arrependi de nada, mas confesso que muitas delas não faria de novo. Com isso, calejei. Isso é excelente para quem quer ser 'LINHA DE FRENTE"..
    Ah...desculpa, vai...por faze-lo ler TUDO isso. Mas como fiquei muito tempo sem acessar o pc, não deu para dosar...Foi tudo num 'rapido' comentario.
    Fique bem.Cuide-se
    Jinhus.

    ResponderExcluir

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras