quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Meu Tipo Inesquecível

Quando eu era adolescente gostava de uma revista chamada Seleções, muito boa, aliás, com artigos variados, tinha uma sessão muito interessante entre outras que tinha por título: Meu Tipo Inesquecível, pois é nesta sessão geralmente se desenvolvia um artigo interessante de um algum autor sobre uma pessoa notável em algum ramo da atividade humana, ou que tinha alguma característica peculiar. Então havia o desfile de várias personalidades, mas muitas vezes não precisava esta pessoa ter escrito um livro ou escalado uma montanha. Muitas vezes eram pessoas simples mesmo, a avó do autor, uma tia ou vizinho, mas que tinha uma história interessante desta pessoa. Se eu fosse escrever meu Tipo Inesquecível, a minha mãe preencheria todos os quesitos, pois era uma pessoa interessantíssima que muito me marcou, quer pela  paciência, sua perseverança, fé, e sabedoria. Pra começar ela sabia de todas as histórias interessantes e engraçadas do Bairro. Uma espécie de cronista conhecia histórias interessantes de assombrações e do Pedro Malasartes, este ultimo como o próprio diz vivia fazendo artes e pregando peças nos mal avisados. Sabia histórias da escravidão, do Lampião e Maria Bonita, do Corpo Seco e do Saci Pererê. O Saci Pererê era um moleque bem escurinho de uma perna só que vivia assobiando pelo mato. Provocava vento e fazia redemoinhos, atrapalhava a crina dos cavalos, e fazia as pessoas perderem coisas. Sabia também o coaxar dos sapos e o que significavam: Uns faziam gamelas de acordo com seu coaxar, outros tocavam instrumentos, assobiavam, etc. Ela teve uma vida muito dura, desde criança trabalhou pesado em engenhos de fazer rapaduras, o adoçante que precedeu o açúcar, que, aliás, era muito melhor, mas acabou só subsistindo talvez no interior de Minas.  Como toda pessoa sofrida era triste e não gostava de rir muito, trabalhava duro, como todo o mundo fazia naquela época de vida rural intensiva. Tudo ou praticamente tudo saia da fazenda, só se ia à cidade pra comprar fósforos, sal e roupas que não se fabricava nas fazendas ou sítios. No mais tudo ali era produzindo: A carne, o leite, a manteiga, a banha, a farinha, rapadura, verduras e frutas. As cidades eram pequenas e de pouco comércio, a ponto das cidades dependerem quase completamente da zona rural. Mas claro isso mudou. Então, estava dizendo que ela era triste, mas até certo ponto. Pois a vida familiar era o ponto forte daquela época, as famílias eram muito mais estáveis, e tudo praticamente girava em torno da vida familiar.  As festas, as visitas de uma família a outra, esta vinha nos visitar, então ficávamos devendo uma visita que logo era combinado para o próximo domingo ou feriado. Também vivendo e observando isto acho que fiquei muito caseiro e aprecio também esta vida familiar que infelizmente acabou. Estava falando de sua tristeza, às vezes, mas nem sempre, pois ela adorava visitas e  conversar, contar suas histórias. O riso embora sendo uma mulher pequena fosse impressionante e tonitruante, parecia que ela ria com o corpo todo e com a alma. A alegria tomava conta dela. Então minha mãe foi o meu Tipo Inesquecível.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras