quarta-feira, 4 de maio de 2011

O sertanejo é antes de tudo um forte (Euclides da Cunha em Os Sertões). O brasileiro não desiste nunca (Propaganda televisiva), enfim são inúmeras as virtudes dos brasileiros. Mas esquecemos os nossos defeitos que pioram com o tempo. Herdamos a cultura latina da metrópole portuguesa. Não é por falar mal, mas até há pouco tempo era um país também muito atrasado, que viveu uma ditadura longuíssima com o Salazar. Pois é, herdamos deles quase todas as nossas qualidades e defeitos. Uma de nossas qualidades é a tolerância, somos um povo cordial e tolerante, alegre. Mas ultimamente temos piorado muito, o que coloca em cheque esta alegada cordialidade e tolerância. Começamos até certo ponto bem, tínhamos um governante bom, Dom Pedro II, homem que estudou muito e estava preparado para o cargo, não era um governo brilhante, mas sentia-se que D. Pedro amava o Brasil e muito estudou e se preparou para o cargo que ocupava. Hoje quanta diferença, até semi analfabetos nos governam, o estudo foi para as calendas. Basta afirmar que a nossa primeira Universidade foi fundada em 1932, portanto há bem menos de cem anos, quando o México teve sua primeira Universidade ainda no século XVI. O estudo por aqui nunca foi o forte do brasileiro, nada de se esforçar muito porque “cansa”, porque estudar se uma professora com mestrado e doutorado ganha pouco mais de R$600,00(seiscentos reais). Quando um jogador de futebol semi analfabeto muitas vezes ganha na casa dos milhões. Vivemos a época da inversão de valores. Como dizia Rui Barbosa, nosso grande jurisconsulto, o AGUIA DE HAIA, que perdeu a eleição para presidente da República: “De tanto ver triunfar as nulidades, sinto vergonha de ser honesto”. Pois é continuemos nossa autocrítica, para voltar a falar de governos, tivemos um muito dinâmico: O Juscelino, homem de fibra e valente que queria fazer o Brasil avançar 50 anos em cinco. Se o conseguiu não sei, só sei que atropelamos muito o tempo, invertemos prioridades, abrimos as portas para as Multinacionais, nossa indústria era fraca, será que primeiro não seria necessário fortalecê-la? Destruímos nossas prioridades que eram as ferrovias que tinham semeado o progresso e cidades por todos os rincões pátrios, hoje o país vive a falta de ferrovias para transportar sua riqueza. Semeamos rodovias, mas agora o petróleo caríssimo, ameaça nos sufocar. O governo faz propaganda demais e trabalha cada vez menos. Queremos construir ferrovias, mas agora custa uma fábula. Temos déficit crônica de infra estrutura ferroviária, aérea e fluvial. Nossos rios podiam transportar riquezas, mas são poucos explorados e o pior são agora poluídos. Para piorar o lema do brasileiro segundo o Sociólogo Roberto da Marta é: Fé em Deus e pé na tabua. Aí entra outro mito nacional o do automóvel. Todo brasileiro quer ter um automóvel e cada um por si. O pior não obedecemos a regras, exaltamos o jeitinho, nos consideramos invulneráveis, os acidentes acontecem com os outros, não conosco. Então guiamos as nossas bólides a 200 km/hora e que se dane o pedestre que estiver na frente, se somos pegos nas poucas vezes, entramos com o nosso “jeitinho” e subornamos o guarda. Regras para que? Com isso morre mais gente aqui de acidente de transito do que em muitas guerras por este mundo afora. A estatística é estarrecedora: 40.000(quarenta mil) mortes por ano num dos piores trânsitos do mundo. Que triste estatística. Vejam o seguinte e pasmem: Nos Estados Unidos quem estiver com o carro com mais de um passageiro fora o condutor tem desconto no pedágio. Agora pergunto por que não adotamos esta prática? Enfim somos mais capitalistas selvagens que os próprios capitalistas.

2 comentários:

  1. Adorei Luiz,assim como tudo o que escreve. Gosto da sua abordagem simples e direta de problemas tão complexos.Você disse que "...Uma de nossas qualidades é a tolerância..." mas eu lhe pergunto: até quando ?

    Um grande abraço,

    Raquel

    ResponderExcluir
  2. Adorei seu comentário minha Raquelquinha,obrigado! Você me fez pensar:
    tolerância com a corrupção, tolerância com a pilantragem. Até quando vão valer as palavras do nosso grande Jurisconsulto:Rui Barbosa," ...até temos vergonha de ser honestos!
    Um grande abraço minha grande incentivadora e minha futura esposa.

    ResponderExcluir

Luiz Antonio de Almeida itens compartilhados

Ocorreu um erro neste gadget
Loading...

Sobre eu e meu blog

Gosto de escrever, não o escrever por escrever, mas até uma necessidade intrínseca de me expressar, de transmitir algo, um pensamento, com ist0 eu possa despertar algo de bom em meus amigos. Muitas vezes mesmo é meu desejo de comunicação, já como disse uma amiga, sou tímido, então a comunicação verbal direta estaria dificultada, então a comunicação via internet mil vezes potencializada. Diga o que disserem, mas o computador aproximou as pessoas, que muitas vezes estavam distantes, e tinham poucas possiblidades de comunicação. E os "bloguistas" podem então dar asas a sua imaginação e exercitar as suas potencialidades, que terão mais ou menos leitores de acordo com suas possibilidades e capacidades. O meu blog é geral, pois trato de qualquer assunto, moderno, contemporâneo, assuntos atuais, problemas brasileiros e outros tantos.

Seguidores

Quem sou eu

Minha foto
Franca, SP, Brazil
Um tanto solitário, introvertido, gosto de viajar,caminhadas e leituras